Papel de palhaço

Prestes a descer a rampa do Palácio do Planalto, Dilma Rousseff exige mordomias depois que for afastada da presidência. Quem pagará por elas: eu, você e todos os demais trouxas que moram do Oiapoque ao Chuí

28 de Abril de 2016

O Brasil é um país tão sofrido que até a boa notícia sempre vem com um porém. Já é dado como certo e próximo o afastamento da presidente Dilma Rousseff pelo Senado. Até os petistas já aceitaram isso, mas não se engane, eles estão longe de se conformar com o império da lei e da ordem. Prova disso são os atos terroristas que MST, MTST, Mídia Ninja e demais milicianos a soldo do partido promovem em algumas cidades e rodovias. No entanto, desses a polícia cuida.

A maior canalhice dos movimentos contra o impeachment é protagonizada pela própria Dilma. Não bastasse ter sido beneficiada com o afastamento pelo menor e mais tosco de seus crimes, ela resolveu que vai continuar vivendo no Palácio do Alvorada, residência oficial do presidente, cercada de seu séquito de servidores públicos pagos por você sabe quem. E o desplante não se resume a isso.

Segundo informações da GloboNews, ela já teria avisado ao presidente do Senado, Renan Calheiros, que pretende continuar usando o avião presidencial enquanto aguarda o julgamento final do Senado, previsto para ocorrer em outubro. A aeronave serviria para transportá-la a Porto Alegre para visitar a família e para ir a atos políticos convocados pelo PT contra o futuro presidente Michel Temer. Se ele estiver usando o avião principal, deverá ser disponibilizada a ela uma outra aeronave da Força Aérea Brasileira. O cinismo, a ganância, a má fé e a canalhice dessa gente é de escandalizar qualquer pessoa de bem. Se livrar do PT vai ser mais difícil e mais intragável do que parece.

Veja também

Feminismo seletivo

Na sessão de ontem da Comissão Especial do Impeachment no Senado, a advogada e autora do impeachment Janaína Paschoal sofreu os ataques mais covardes de parlamentares governistas

A política letárgica

O intervalo entre as votações do impeachment na Câmara e Senado causa um período de estranha calmaria política no país.

Direito criativo

Supremo Tribunal Federal fere o princípio da separação dos três poderes ao discutir como o presidente da Câmara deve interpretar o regimento da Casa

Olho aberto

Impeachment deverá ser votado na sexta-feira que vem; confira o posicionamento dos deputados que receberam votos em Formiga

Parceiros