Olho aberto

Impeachment deverá ser votado na sexta-feira que vem; confira o posicionamento dos deputados que receberam votos em Formiga

07 de Abril de 2016

Se tudo acontecer conforme o cronograma, o impeachment deverá ser votado no plenário da Câmara dos Deputados a partir de sexta-feira que vem, dia 15. De acordo com o presidente da Casa, Eduardo Cunha/PMDB, a votação ocorrerá em três dias, já que a Lei do Impeachment (1079/1950) prevê uma hora de pronunciamento para o líder de cada um dos 25 partidos com representação na Câmara.

Portanto, como falta pouco mais de uma semana para o país se livrar de Dilma Rousseff, é preciso que as pessoas se conscientizem e cobrem dos deputados nos quais votaram um posicionamento sobre o assunto. O Estadão, em seu site, divulgou o placar do impeachment. Como muitos estão indecisos ou mudando de opinião, o jornal continua fazendo atualizações. Até o momento, os deputados federais que tiveram votos em Formiga e permanecem indecisos sobre o afastamento da presidente Dilma Rousseff são: Rodrigo Pacheco/PMDB, George Hilton/ PROS, Diego Andrade/ PSD, Saraiva Felipe/ PMDB, Newton Cardoso Jr/ PMDB, Weliton Prado/ PMB, Luiz Fernando Faria/ PP, Ademir Camilo/ PTN, Marcelo Álvaro Antônio/PR, Silas Brasileiro/ PMDB, Luis Tibé/ PTdoB e Brunny – PR, Stefano Aguiar/PSD e Toninho Pinheiro/PP.

É importante exercer o direito cívico de cobrar que a vontade do eleitorado prevaleça. E essa vontade tem duas palavras e seis letras: “Fora PT”. A tecnologia é uma ótima ferramenta para ajudar a aproximar o povo dos políticos. Está liberado usar e-mail, whatsapp, telefone, facebook, site, blog, sinal de fumaça, o que for.

No entanto, do outro lado do muro estão aqueles dispostos a cometer suicídio político para dar continuidade a tudo isso que aí está ao apoiar o governo. Anotem esses nomes em seus caderninhos para conferir em eleições futuras: Gabriel Guimarães/ PT, Reginaldo Lopes/PT, Aelton Freitas/ PR, Wadson Ribeiro/ PCdoB, Franklin Lima/PP, Jô Moraes/ PCdoB, Padre João/ PT, Adelmo Carneiro Leão/ PT e Margarida Salomão/ PT. Detalhe: chamo a atenção para a presença da linha auxiliar do PT mais confiável nesses tempos sombrios, o PCdoB. O destaque número 2 vai para a presença de um padre petista. Sim, eles existem! Como um padre pode apoiar um partido cuja ideologia foi responsável pela morte de milhares de religiosos mundo afora, isso, para mim, é um mistério. Deve ser influência do frei charlatão.

Como nem tudo é dúvida, oportunismo e canalhice em Banânia, do lado certo do muro, da decência e da lei, estão os deputados que apoiam o povo: Jaiminho Martins/PSD, Eros Biondini/PROS, Eduardo Barbosa/PSDB, Lincoln Portela/ PRB, Domingos Sávio/PSDB, Marcos Montes/PSD, Subtenente Gonzaga/PDT, Carlos Melles/DEM, Marcelo Aro/PHS, Leonardo Quintão/PMDB, Júlio Delgado/PSB, Zé Silva/SD, Rodrigo de Castro/PSDB, Dimas Fabiano/PP, Mário Heringer/PDT, Caio Narcio/PSDB, Paulo Abi-Ackel/ PSDB, Laudívio Carvalho/SD, Bonifácio de Andrada/PSDB, Marcus Pestana/PSDB, Dâmina Pereira/PSL, Fábio Ramalho/PMDB, Delegado Edson Moreira/PR, Bilac Pinto/PR, Odelmo Leão/PP e Misael Varella/DEM.

Veja também

Papel de palhaço

Prestes a descer a rampa do Palácio do Planalto, Dilma Rousseff exige mordomias depois que for afastada da presidência. Quem pagará por elas: eu, você e todos os demais trouxas que moram do Oiapoque ao Chuí

A política letárgica

O intervalo entre as votações do impeachment na Câmara e Senado causa um período de estranha calmaria política no país.

Deputados brasileiros

E se eu te contar que aqueles deputados que votaram sobre o impeachment da Dilma ontem já estão lá há muito tempo, você acreditaria?

Direito criativo

Supremo Tribunal Federal fere o princípio da separação dos três poderes ao discutir como o presidente da Câmara deve interpretar o regimento da Casa

Parceiros