Escalada da violência

Entre 2000 e 2014, população carcerária no país aumentou 167%

26 de Abril de 2016

O Brasil possui 622.202 presos, segundo dados do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias, divulgados hoje, dia 26, pelo Ministério da Justiça. Desse total, 389.477 foram acrescentados à estatística do ano 2000 até 2014, o que representa um aumento de 167%. São 306 presidiários para cada 100 mil habitantes. A média mundial é de 144 por 100 mil pessoas. Isso nos garante a quarta maior população carcerária do planeta. Tal pesquisa, obviamente, exclui os crimes cometidos por menores. Se eles pudessem prestar contas das atrocidades que cometem, a tabulação teria dado mais trabalho.

Uma das teses perpetuadas pela esquerda é a de que a criminalidade existe porque algumas pessoas não têm oportunidade, emprego e renda. Sendo assim, é natural que elas recorram ao mundo do crime para suprir as carências que o sistema capitalista impõe, já que, na visão delas, ele beneficia apenas a elite burguesa. Aos pobres, só resta, portanto roubar, matar, estuprar e por aí vai. Isso é tão absurdo que nem errado está.

Se você, caro leitor, dedicar seu tempo a pesquisar o Índice de Liberdade Econômica, do Heritage Foundation, vai perceber que os países com maior livre comércio são os que proporcionam melhor qualidade de vida para sua população e onde as desigualdades são significativamente menos acentuadas. Além disso, a criminalidade é algo praticamente inexistente ou muito baixa.

Cerca de 10% da população brasileira detém a maior parte das riquezas produzidas no país. Os outros 90% formam a classe média, C e D. Existem outras denominações, mas isso não vem ao caso. Meu ponto é: se ser pobre fosse condição básica para virar bandido, nem toda a extensão continental de Banânia seria suficiente para colocá-los na cadeia. O governo petista espalha por aí a bravata de que tirou 36 milhões da pobreza (alguns piadistas dizem que quando eles falam isso estão se referindo a dinheiro, não a pessoas). Vamos suspender a realidade por um momento e fingir que é verdade. Pela lógica deles, se os menos favorecidos recebem dinheiro do governo (um em cada 4 brasileiros faz parte do Programa Bolsa Família) então a criminalidade deveria diminuir, certo? Ocorre justamente o contrário. E isso só desqualifica a canalhice da relação entre bandidagem e pobreza que a esquerda vende para quem quiser comprar. A maioria esmagadora da população brasileira é pobre sim e luta diariamente para viver com dignidade, apesar das amarras e das dificuldades impostas pela intervenção do Estado. Os que pegam os atalhos do crime o fazem por escolha própria. A pobreza não tem nada a ver com isso. É uma questão moral, não financeira. Alguns podem gritar: ah, mas isso é falta de investir em educação. A Lava Jato está aí para desmentir isso. Nunca antes na história destepaiz tantos deputados e empreiteiros letrados foram parar atrás das grades.

Infelizmente, vivemos tempos em que somos obrigados a desenhar o óbvio. O aumento da criminalidade subiu tanto nesses 14 anos, sob o governo do PT, por causa da impunidade. Impunidade que é patrocinada por um Código Civil frouxo, proveniente de uma mentalidade revolucionária capenga e que só trouxe miséria e morte onde quer que ela prosperasse. Não é por acaso que a cor dela é vermelha.

Veja também

A política letárgica

O intervalo entre as votações do impeachment na Câmara e Senado causa um período de estranha calmaria política no país.

Olho aberto

Impeachment deverá ser votado na sexta-feira que vem; confira o posicionamento dos deputados que receberam votos em Formiga

Amigo da onça

Governo Federal propõe programa de ‘desligamento voluntário’ para servidores, caso haja risco de extrapolação dos gastos públicos

Parceiros